Proteção de locais que guardam a nossa memória

 

 

Empresas de todos os portes e atividades guardam documentos relevantes. Para essa armazenagem, reservam algum local físico específico. Podem ser arquivos atuais ou antigos, o que importa é que contam (ou ajudam a escrever) a história da companhia. Cuidar bem desse material é uma maneira de preservar a memória de suas marcas e ações. Protegê-lo é preciso. Uma das formas é usar paredes que, além de ajudar na separação dos ambientes, podem aumentar a proteção passiva contra incêndios.


A solução para esses casos é o uso de paredes PromatectⓇ-H. São chapas de silicato de cálcio de alta densidade, com bordas quadradas, incombustíveis, autoportantes e monolíticas, de alta resistência mecânica. Podem ser aplicadas na sala de documentos como um sistema completo de proteção contra incêndio: paredes, forros e shafts.


“São sistemas que ajudam a retardar o incêndio e evitar que o fogo se alastre e alcance o ambiente que está mais protegido”, diz Caio Rocco, especialista da marca PromatⓇ, da Etex.


Além das paredes corta-fogo, a sala precisa receber um tratamento de juntas, nos encontros entre as paredes e o piso, e entre as paredes e teto. Caio recomenda o uso de Selantes PromatⓇ PromasealⓇ, que são resistentes a altas temperaturas e protegem contra a propagação de fogo, calor e fumaça.


“Para incrementar a segurança, pode-se aplicar pintura ablativa intumescente em cabeamento elétrico e utilizar fitas intumescentes da nossa marca nos tubos hidráulicos de PVC”, finaliza Caio. Todas essas soluções funcionam em novos projetos ou salas já construídas, mesmo em alvenaria.


Blog